PROJETOS EM ANDAMENTO

  • D a n i e l  A a r ã o  R e i s 

    “As guerras civis na Rússia (1917-1921) e sua importância chave para a definição e construção do socialismo autoritário na URSS” (FAPERJ – Cientista do Nosso Estado)

    2019

    “As guerras civis na Rússia (1917-1921) e sua importância chave para a definição e construção do socialismo autoritário na URSS” (FAPERJ – Cientista do Nosso Estado)

  • D a n i e l  A a r ã o  R e i s 

    “Intelectuais, cultura política e violência. História & Literatura (Rússia e Brasil)”

    2017


    Em relação aos estudos russos, mantendo-me na pesquisa da trajetória dos intelectuais, explorando sempre as fronteiras entre história & literatura, meu propósito é discutir as relações dos intelectuais com a questão da violência. Serão tomados como referências principais os percursos de Alexandre Herzen e Isaac Babel. Em contraponto, no século XIX, Nicolau Tchernichevski; no século XX, Boris Pasternak e Anatoli Ribakov. Na dimensão brasileira da pesquisa, fixei o objetivo de um estudo de fôlego sobre a cultura política nacional-estatista.estudar as relações entre Estado e sociedade; a capacidade de atração que o Estado exerce sobre os intelectuais; suas raízes nas elites dominantes e nas classes populares, com ênfase no corporativismo; a combinação complexa, às vezes, paradoxal, entre valores democráticos e ditatoriais; entre os apelos à paz e à conciliação e o exercício da violência ? através das instituições, de forma velada, em períodos de ?paz social? ou/e da repressão aberta, em momentos de conflito social...


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 

    Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa – Bolsa. Produtividade.

  • D e n i s e  R o l l e m b e r g

    “Museus e memoriais da Resistência ao nazismo e à ocupação nazista na Segunda Guerra Mundial. Alemanha, Países Baixos e Polônia”.

    2018 


    Descrição: Com a derrota dos fascismos na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), os países europeus enfrentaram a difícil tarefa de se reconstruir. Sobre os pilares elaborados no campo da memória, aconteceu a reconstrução da Europa: a identificação de forças coercitivas como elemento essencial dos regimes totalitários e submissão dos países invadidos e / ou ocupados; a percepção da Propaganda como elemento fundamentalmente manipulativo para as sociedades; o argumento de que desconhecia a barbárie que foi cometida. Em outro pilar, esse processo foi sustentado no mito da Resistência: os países, embora derrotados militarmente, não haviam - desde o início até a evacuação dos territórios - se curvado diante do atacante e de seus colaboradores nacionais. O mito da Resistência, então, desempenhou um papel fundamental na restauração das identidades nacionais. Foi neste contexto do fim da guerra até hoje que foram criados inúmeros museus e memoriais da Resistência. Como lugares de memória, eles tinham que consertar isso na memória coletiva; divulgar seus feitos heroicos, celebrá-lo como uma experiência não de uma, parte ou parte da sociedade, mas de todos. A Resistência como identidade, patrimônio da nação. A pesquisa pretende, portanto, estudar as construções da memória da Resistência aos fascismos na Segunda Guerra Mundial, através de museus e memoriais dedicados a ela; verificar como a revisão historiográfica sobre ditaduras na Europa nos anos 1922-1945 a afetou. Esses locais de memória são, portanto, abordados como documento / monumento. Edital Cientistas do Nosso Estado (FAPERJ), 2018-2021. 


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 

    Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa. Cientista do Nosso Estado.

  • E l i s a  C a m p o s  B o r g e s

    “LOS 80: FICÇÃO E REALIDADE NO PROJETO NEOLIBERAL DE PINOCHET”

    2017


    Descrição: Este projeto tem como objetivo analisar a primeira temporada da série televisiva Los 80 (2008-2014), produzida no marco da celebração do Bicentenário do Chile. A série, elaborada pelo diretor Andrés Wood, retrata os anos de 1982 a 1990, período do segundo ciclo neoliberal implementado na ditadura liderada pelo general Augusto Pinochet (1973-1990). Seu propósito era mostrar, a partir da narrativa ficcional de uma família de classe média no país, os impactos e dilemas das reformas econômicas e do autoritarismo no cotidiano dos chilenos.


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 


    Integrantes: Elisa de Campos Borges - Coordenador.

    Financiador(es): Universidade Federal Fluminense - Bolsa.

  • D e n i s e  R o l l e m b e r g

    “Ideias em tempo de Guerra Fria: circulação intelectual, encontros e desencontros” (CAPES-COFECUB – Coordenadora)

    2018 


    Descrição: Trata-se projeto contemplado no Edital CAPES-COFECUB, reunindo equipes de pesquisadores do Brasil (UFF e UNICAMP) e da França (Université Sorbonne Nouvelle Paris 3 / IHEAL e CREDA-UMR7227, e CNRS), sob coordenação de Denise Rollemberg (equipe brasileira) e Olivier Compagnon (equipe francesa). O projeto tem a intenção de ampliar e aprofundar o enfoque dos estudos das relações assimétricas franco-brasileiras, considerando-as a partir das tensões do mundo pós 2ª Guerra, quando diferentes atores e instituições de outros países das Américas e Europa ganharam relevância. As relações culturais entre o Brasil e a França desde o fim do século XVIII possibilitaram numerosos trabalhos (entre eles, Parvaux et Revel-Mouroz, 1991; Carelli, 1993; Lessa, 1997; Nitrini, 2000; Suppo, 2000; Mattoso, Capanema, Compagnon et Fléchet, 2017). Entretanto, podemos afirmar que aquelas produzidas na 2ª metade do século XX foram negligenciadas. Dois fatores conferem a esta sequência cronológica estatuto particular no longo período das relações franco-brasileiras. De um lado, a 2ª Guerra diminuiu a circulação cultural entre as duas bordas do Atlântico possibilitando a consolidação da presença cultural dos EUA na América Latina (AL) (Ninkovitch, 1981; Gamero, 1986; Pernet, 2007; Goebel, 2009). De outro, o surgimento da Guerra Fria na AL com a criação da Organização dos Estados Americanos em Bogotá (1948) e o início da difusão da Nacional Security Doctrine para o sul da América conferiram a Washington-Moscou estatuto referencial que era ocupado por outras ?metrópoles de substituição? ? entre elas Paris ? (Guerra, 1989) e transforma a AL em lugar de disputa cultural indireta destes dois Grandes até a virada dos anos 1980 e 1990 (Albuquerque, 2011; Ridenti, 2012; Pedemonte, 2016). As equipes aqui reunidas trabalharão em conjunto pela primeira vez. Denise Rollemberg, experiente pesquisadora sobre a ditadura militar brasileira e regimes autoritários e totalitários europeus, publicou artigo em livro (2016) organizado por Olivier Compagnon e Diogo Cunha, que será um dos pós doutorandos da equipe brasileira. Compagnon organizou com Angélica Müller (2018) um colóquio sobre os 50 anos de 1968 com a participação de Marcelo Ridenti, momento em que ambos brasileiros estavam como professores convidados do Iheal. Ridenti e Rollemberg já trabalharam em outros projetos Capes-Cofecub (Rolland; Rugai; Ridenti; Reis, 2003). Giselle Venâncio, cuja experiência no tema é grande, destacando o trabalho sobre as traduções de Serge Miliet, soma-se à equipe juntamente com as jovens pesquisadoras Francine Iegelski, cuja tese sobre Lévi-Strauss recebeu prêmio na USP, e Juliette Dumont, que estudou as relações internacionais culturais entre Brasil e França na 1a metade do XX. Hervé Théry, titular da cátedra Pierre Monbeig na USP, é antigo mediador entre os mundos acadêmicos franceses e brasileiros. Assim, as equipes propostas apresentam a tradição e a inovação necessárias para formar nova rede de pesquisadores projetando futuras parcerias a partir dos desdobramentos deste projeto inicial.


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 


    Alunos envolvidos: Doutorado: (4). 


    Integrantes: Denise Rollemberg Cruz - Coordenador / Marcelo Ridenti - Integrante / Giselle Martins Venâncio - Integrante / Olivier Compagnon - Integrante / Francine Iegelski - Integrante / Angelica Müller - Integrante / Juliette Dumont - Integrante / Franck Poupeau - Integrante / Hervé Théry - Integrante.

    Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Auxílio financeiro.

  • J a n a í n a  M a r t i n s  C o r d e i ro

    “Violência política e regimes autoritários no século XX: história, memória e historiografia”

    2019


    Descrição: Este projeto tem como objetivo contribuir para a consolidação do Grupo de Estudos sobre Violência política e regimes autoritários no século XX. O grupo surgiu ainda no primeiro semestre de 2019, a partir dos diálogos e da expectativa de ampliação dos intercâmbios acadêmicos entre pesquisadores vinculados ao Núcleo de Estudos Contemporâneos da UFF (NEC) e ao Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos da UFRJ (NIEJ). Sediado no Instituto de História da Universidade Federal Fluminense (IHT/UFF), o grupo nasceu estreitamente vinculado ao NEC/UFF, como expansão e, ao mesmo tempo, reconhecimento das particularidades de uma de suas linhas de pesquisa “Violência política, social e regimes autoritários no século XX”, e ganhou contornos específicos e interinstitucionais a partir do aprofundamento dos diálogos com pesquisadores do NIEJ/UFRJ. Trata-se, portanto, de uma iniciativa interinstitucional dedicada à reflexão sobre temas relativos aos processos de violência política que marcaram o século XX na Europa e na América Latina.


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 


    Integrantes: Janaína Martins Cordeiro - Coordenador / Livia Gonçalves Magalhães - Integrante / Denise Rollemberg - Integrante / Vinicius Liebel - Integrante.

    Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Auxílio financeiro.

  • J a n a í n a  M a r t i n s  C o r d e i ro

    “Brasileiros em tempos sombrios: cotidiano e comportamentos sociais sob a ditadura (1964-1979)”

    2018


    Descrição: Este projeto, contemplado com a bolsa Jovem Cientista do Nosso Estado/Faperj (edital 04/2018), propõe aprofundar pesquisa sobre o tema da vida cotidiana sob regimes ditatoriais. Especificamente, pretende estudar as formas a partir das quais a vida cotidiana de segmentos sociais não envolvidos diretamente na luta política contra o regime foi alterada durante a ditadura civil-militar brasileira, tomando como referências principais as relações com a violência política e as demandas por normalização do cotidiano. Para tanto, é meu intento analisar tais relações em pelo menos três momentos fundamentais: entre 1964 e 1968, tomando como referência os momentos iniciais do golpe e de construção da ditadura; em seguida e com ênfase especial, o período compreendido entre os anos 1969 e 1974, durante o mandato do General Médici, período ao mesmo tempo mais violento e mais popular do regime; e por fim, proponho tomar o governo Geisel e o ziguezagueante processo de construção da abertura política (1974-1979). Assim, o projeto propõe dialogar com estudos que vêm sendo desenvolvidos sobre história do cotidiano sob regimes autoritário no século XX na Europa e na América Latina. Tais trabalhos, signatários em alguma medida dos pressupostos da chamada história vista de baixo ou da micro-história italiana, ganham contornos específicos quando se propõem pensar as experiências autoritárias do século XX. Isso porque, nestes casos, é preciso pensar não apenas a violência e os sofrimentos produzidos em tais contextos, mas também as formas de ascensão destes poderes e a coexistência com eles.. 


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 


    Integrantes: Janaína Martins Cordeiro - Coordenador.

    Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ - Bolsa. Jovem Cientista do Nosso Estado.

  • J a n a í n a  M a r t i n s  C o r d e i ro

    “Violência, história e contemporaneidade: pensar o século XX”

    2018


    Descrição: Este projeto, contemplado pelo Edital Universal 28/2018 do CNPq, propõe lançar olhares plurais sobre o passado recente em busca de melhor compreender os múltiplos processos de violência, também eles plurais, que marcaram a experiência histórica do século XX. Para tanto, toma como referência as reflexões que vêm sendo desenvolvidas pelos pesquisadores do Núcleo de Estudos Contemporâneos (NEC) da UFF ao longo das últimas duas décadas e as perspectivas de estender os diálogos nacional e internacional..


    Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 

     


    Integrantes: Janaína Martins Cordeiro - Coordenador / Daniel Aarão Reis - Integrante / Isabel Leite - Integrante / Livia Gonçalves Magalhães - Integrante / Renata Schittino - Integrante / Norberto Osvaldo Ferreras - Integrante / Marcus Ajuruam de Oliveira Dezemone - Integrante / Marina Berthet - Integrante / Karla Carloni - Integrante / Elisa Campos Borges - Integrante / Marcelo Bittencourt - Integrante / Vinicius Liebel - Integrante / Fulvia Zega - Integrante.

    Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Auxílio financeiro.

  • L í v i a  G o n ç a l v e s  M a g a l h ã e s 

    “Nos passos de João Havelange: da CBD à FIFA (1958-1975)”. (Faperj, Edital APQ1 2019)

    2019

    Atual “Nos passos de João Havelange: da CBD à FIFA (1958-1975)”. (Faperj, Edital APQ1 2019)

  • N o r b e r t o  F e r r e r a s 

    “Desigualdades globais e sociais em perspectiva temporal e espacial”

    2018

    CAPES – PRINT) Integra em sua equipe pesquisadores do NEC/UFF (Daniel Aarão Reis; Elisa de Campos Borges; Janaina Martins Cordeiro; Lívia Gonçalves Magalhães)

  • M a r c e l o  B i t t e n c o u r t

    “Guiné-Equatorial: perspectivas comparadas entre o colonialismo português e espanhol”

    2015

    Descrição: Este estudo objetiva, desde o caso da Guiné Equatorial, proceder uma análise comparada entre a política colonial portuguesa e espanhola para a África. Nessa primeira fase, privilegiar-se-á o estudo do esporte no cotidiano colonial, posteriormente se estabelecendo outros temas de investigação.

     

    Situação: Em andamento Natureza: Projetos de pesquisa

     

    Integrantes: Marcelo Bittencourt  (Responsável); Victor Andrade de Melo (UFRJ)

  • M a r c e l o  B i t t e n c o u r t

    “Culturas e sociabilidades em Angola (1961-1975)”

    2014

    Descrição: A pesquisa pretende analisar a última fase do colonialismo português em Angola (1961-1975), que se inicia com o levante armado perpetrado por dois movimentos de libertação nacional, gerando sensíveis mudanças na vida colonial, e termina com a proclamação da independência pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA). O objetivo é focalizar as ações e as vivências dos angolanos que não ingressaram explicitamente na luta anticolonial armada, mas que viveram o colonialismo no seu cotidiano. É analisar as tensões e as ambiguidades que se estabeleceram, sobretudo, nos centros urbanos. Esta opção de análise tem merecido, até o momento, menor atenção dos historiadores, em virtude, em grande medida, da concentração de estudos sobre os diferentes conflitos armados que tiveram lugar em Angola.

     

    Situação: Em andamento

     

    Integrantes: Marcelo Bittencourt  (Responsável); Izabelle Caroline Gomes Miranda (bolsista IC – CNPq)

  • M a r c e l o  B i t t e n c o u r t

    “Nacionalismos e independências”

    2013

    Descrição: Estudar os diferentes processos de independência ocorridos no continente africano. A perspectiva adotada busca fugir à leitura dos impérios coloniais europeus como lentes para a observação dos processos de independência na África. O objetivo é enfatizar a relação colonizado / colonizador em cada caso, atentando para a relação estabelecida em cada colônia, buscando escapar ainda a qualquer visão homogeneizante quer dos colonizados quer dos colonizadores. O objetivo é analisar as dinâmicas locais em contraposição aos discursos metropolitanos.

     

    Situação: Em andamento

     

    Integrantes: Marcelo Bittencourt  (Responsável)

PARCEIROS
LOCALIZAÇÃO

ICHF - Campus do Gragoatá, bloco N, sala 216 - Niterói

 

nec@nec.uff.br

O NEC
  • Grey Facebook Icon

ESTE PORTAL É FINANCIADO COM RECURSOS do edital E_08/2015 - Programa de Apoio a Projetos de Pesquisa na Área de Humanidades – 2015, da FAPERJ